Planejamento estratégico da área de Tecnologia da Informação – 2019

Todo começo de novo ano é época de validar ou até mesmo implementar o planejamento estratégico para o ano fiscal vigente de todas as áreas da empresa. É claro que a área de Tecnologia da Informação não poderia ficar de fora.

Mas planejar ou desenvolver um plano de ação é só pensar em investimentos, manutenção e pessoal?

Planejar é entender antes de tudo, quais os modelos de planos de ação mais viável para a organização e consequentemente para os negócios. Afinal será um ano para manter a operação estável ou um ano de mudanças estratégicas?

A alta direção pode até pensar que será um ano difícil e manter a operação é o mais sensato. Porém a área de TI pode ajudar na análise de viabilidade dos rumos para o próximo ano.

O diretor e gestores da TI podem desenvolver um plano de ações para nortear o planejamento estratégico e segmentá-lo da seguinte forma:

Modelo de Planos de Ação:

• Opção de Manutenção (1)

• Opção de Melhorias Estratégicas (2)

• Opção de Avanço Tecnológico (3)

Confira alguns exemplos para entender os modelos:

Opção de Manutenção (1)

Objetivo: Manter no curto prazo (Ex.: oito meses) o ambiente sem atualizações tecnológicas, atendendo somente as necessidades essenciais aos negócios.

Benefícios: Baixo custo neste ano, foco na operação atual e sem perda de performance na manutenção do ambiente.

Desafios: Suportar as necessidades das áreas com os sistemas e infraestruturas atuais.

Risco: Ineficiência Operacional, migração de altos custos para o próximo ano (2020).

Opção de Melhorias Estratégicas (2)

Objetivo: Iniciar as melhorias e inovações a médio prazo (Ex.: 18 meses) dos principais ambientes, mantendo o ambiente atual para suportar as necessidades operacionais e de negócios.

Benefícios: Alguns sistemas críticos começam a ser reconstruídos /desenvolvidos e disponibilizados, aumentando a eficiência em algumas áreas em um primeiro momento, sem afetar a operação. Os benefícios são colhidos ainda este ano (2019).

Desafios: Investimentos e Pessoas (Horas x Equipe)

Riscos: Alguns atrasos podem acontecer visto a divisão de tarefas (Manter e Desenvolver).

Opção de Avanço Tecnológico (3)

Objetivo: Iniciar as melhorias e inovações a longo prazo (Ex.: 24 meses) dos principais setores, com uma cobertura tecnológica mais ampla, cobrindo mais áreas e entregando o novo ambiente de forma mais ágil para os negócios.

Benefícios: Foco total na entrega de um novo sistema de gestão e novos sistemas críticos, aumentando a eficiência em muitas áreas. A eficiência operacional começa a ser visualizada por todas os âmbitos

Desafios: Altos Investimentos em Pessoas (Contratação x Horas x Equipe), pois nesse modelo é necessário “dobrar” as equipes (Desenvolvimento e Suporte) / dois anos.

Riscos: O negócio não acompanhar a velocidade das mudanças sistêmicas (homologações) e processos internos, fora as necessidades de negócios, causando desgastes e entraves.

O MELHOR MODELO

O melhor modelo a ser empregado, vai depender das necessidades de cada empresa e visão estratégica, por isso é importante mostrar as três possibilidades.

Para cada modelo deve ser apresentado um mapeamento dos custos, ambientes suportados, manutenções e divisão clara de OPEX (Operational Expenditure) – em resumo custos operacionais e CAPEX (Capital Expenditure) – em resumo custos de investimentos e melhorias.

Assim, com um olhar mais “dinâmico e estratégico” as áreas de tecnologia da informação podem contribuir e inovar em opções e maturidade no planejamento estratégico 2019, evitando surpresas desagradáveis e podendo ser realmente parte do crescimento sustentável na organização.

Se precisar de ajudar no desenvolvimento ou validação de seu planejamento estratégico, você pode ainda contar com a ajuda de uma consultoria especializada. Os executivos da innovativa podem ajudar em seu planejamento estratégico.

Artigo escrito por: Carlos Macedo, executivo de TI da innovativa executivos associados