“Trata-se de uma verdadeira ‘aula’ de como contar histórias no palco. (…) Aula no sentido de que a técnica dos contadores está toda ali, esmiuçada, trabalhada e retrabalhada. Repetições, reiterações, dinâmicas de palco, respirações, pausas musicais, silêncios estratégicos, articulações vibrantes, timbres, olhares perfeitos, linguagens corporais.” (Dib Carneiro Neto)

O infantojuvenil Histórias de Alexandre, do Grupo 59 de Teatro, reestreia no dia 24 de março no Teatro João Caetano para uma breve temporada que vai até o dia 15 de abril, sempre aos sábados e domingos, às 16 horas. Concebida a partir da obra de Graciliano Ramos, a montagem tem direção de Cristiane Paoli Quito.

A peça está indicada em cinco categorias ao Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem e sua diretora ganhou o Prêmio APCA como Personalidades Artísticas pela direção, em 2017.

Histórias e fanfarronices de um típico mentiroso do sertão estão nessa encenação, permeada por canções originais. Publicado em 1944 por Graciliano, o livro reúne contos coletados na cultura oral do folclore nordestino, resgatando crenças, costumes e mitos da região. Na transposição para o palco, foram selecionadas algumas histórias, mantendo na íntegra as palavras do autor.

Alexandre é um homem já velho, tem um olho torto e fala bonito: um típico contador de histórias. Está sempre acompanhado pelos moradores das redondezas e até por pessoas de consideração que vêm à sua modesta casa para ouvir suas narrativas “fanhosas”: Seu Libório, cantador de emboladas; o cego preto Firmino; mestre Gaudêncio Curandeiro, que reza contra mordedura de cobras; e Das Dores, benzedeira de quebranto. Cesária, mulher de Alexandre, está sempre por perto, e pronta para socorrer o marido quando ele se “engancha” ou é questionado em suas narrativas.

Apropriando-se do universo linguístico e das imagens sugeridas por Graciliano Ramos, Histórias de Alexandre dá corpo e voz à palavra escrita, tecendo uma “colcha de retalhos” onde os atos de contar, cantar e dramatizar se entrecruzam e criam uma poética propícia à invocação da memória afetiva.

A diretora fala da importância da apropriação das palavras pelos atores no processo criativo, já que o texto foi escrito há mais de 70 anos, com um vocabulário distinto do atual: “é fundamental que as histórias sejam compreendidas por todas as crianças e adolescentes, por isso as experimentações que fizemos com presença de público foram tão importantes para encontramos o caminho da encenação”, explica Cristiane Paoli Quito.

“A primeira coisa a se observar é o quanto o elenco está luminoso. (…). Você olha da plateia para cada um dos rostos em cena, em qualquer momento da duração do espetáculo, e é pura luz que se vê saindo de suas expressões, brotando de seus ‘jeitos de corpo’.” (D.C.N.)

A montagem reflete a atmosfera da obra literária para aconchegar os ouvintes das histórias de Alexandre, promovendo uma experiência de troca onde a simplicidade e o despojamento do ato cênico, em tom de conversa, convocam a imaginação de todos.

A musicalidade característica do Grupo 59 de Teatro tem lugar de destaque no espetáculo. As canções foram criadas coletivamente a partir de passagens do livro, tendo algumas citações ao cancioneiro popular brasileiro. O repertório traz embolada, repente, reza, canções populares e modas de viola. O coro de atores interpreta, acompanhados por violão, viola, acordeom, flautas, pífaro, berimbau e percussão, tocados ao vivo. A palavra cantada não só dá suporte à encenação como exerce função narrativa épica, lírica e dramática.

Com Histórias de Alexandre o grupo dá continuidade à investigação iniciada, em 2009, com O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá (também dirigido por Cristiane Paoli Quito), na qual busca uma forma de comunicar com a criança por meio de um jogo-brincadeira de contação de história, apoiado fundamentalmente na palavra e no trabalho corporal dos atores. A arte do grupo busca estimular nos pequenos espectadores a criatividade, a imaginação e a inventividade, características das tradicionais brincadeiras de rua e quintais.

Sinopse

Na pequena sala de Alexandre os amigos se reúnem para ouvir suas aventuras e façanhas, sempre narradas com exagero e entusiasmo. Sua mulher, Cesária, acompanha tudo de perto e nunca deixa o marido perder o fio da meada. São as histórias de Alexandre que o Grupo 59 “conta cantando” e “canta contando”: um convite para a deliciosa aventura de imaginar o possível e o impossível, pelas palavras de Graciliano Ramos.

 

Ficha técnica / Serviço

 

Texto: Graciliano Ramos. Roteiro: Cristiane Paoli Quito e Grupo 59 de Teatro. Direção geral: Cristiane Paoli Quito. Elenco: Grupo 59 de Teatro – Carol Faria, Felipe Alves, Felipe Gomes Moreira, Fernando Oliveira, Gabriel Bodstein, Gabriela Cerqueira, Jane Fernandes, Nathália Ernesto, Nilcéia Vicente, Ricardo Fialho e Thomas Huszar. Figurino: Claudia Schapira. Iluminação e ambientação: Cristina Souto. Preparação corporal: Letícia Sekito. Direção musical: Felipe Gomes Moreira e Thomas Huszar. Registro audiovisual: Vítor Meloni. Técnico de luz: Alexandre Souto e Gabriel Greghi. Técnico de Som: Nicholas Rabinovitch. Produção: Grupo 59 de Teatro. Assessoria de imprensa: Verbena Comunicação.

 

Teasers

https://www.youtube.com/watch?v=wzxzjuCXGVM

https://www.youtube.com/watch?v=XEuGx0lc83U

 

 

Espetáculo: Histórias de Alexandre

Temporada: 24 de março a 15 de abril

Dias e horários: Sábado, e domingos, às 16 horas

Duração: 60 minutos. Classificação: 6 anos. Gênero: infantojuvenil

Dia 8/4 não haverá espetáculo.

 

Local: Teatro João Caetano

Rua Borges Lagoa, 650 – Vila Clementina, SP/SP. Tel: 5573-3774

Ingressos: R$ 16,00 (meia entrada: R$ 8,00).

Bilheteria: 1h antes das sessões. Aceita dinheiro e cartão de débito.

Ingressos antecipados: www.sympla.com.br/historiasdealexandre

Não possui estacionamento. Acessibilidade parcial. Capacidade: 100 lugares.

Siga: https://www.facebook.com/Grupo59deTeatro