Crédito das fotos da peça: Rogério Pixote

 

 

Nos dias 10, 11 e 12 de novembro, a CTI Cia. Teatro da Investigação completa 14 anos de estrada e comemora com a abertura de um espaço cultural na Zona Leste de São Paulo. Construída a muitas mãos a Sede CTI abrigará as atividades da Cia, assim como receberá grupos parceiros e artistas convidados. Grátis!

A inauguração contará com apresentações artísticas dos grupos: Ciclistas Bonequeiros, Bloco Afro Afirmativo Ilu Inã, Forró de Muié, Tribo Mirim, Castelo das Artes, Dona Flor e a CTI Cia. Teatro da Investigação com a apresentação da peça a A Casa de Farinha do Gonzagão e uma roda de conversa com Vânia de Fátima Noronha Alves e festeiros da cultura Popular.

O espaço abrigará o Memorial Chico, Gonzaga e Jackson, uma homenagem a Chico de Assis, grande dramaturgo Brasileiro que apadrinhou e orientou o grupo no início da pesquisa do Teatro-Baile e Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro artistas da cultura brasileira e que são pontos de partida para pesquisa do grupo.

 

Agenda de inauguração da Sede CTI:

 

10 de novembro, sexta-feira

19:00 Roda de Conversa com Vânia de Fátima Noronha Alves e festeiros da cultura Popular

11 de novembro, sábado

14:00 Roda de Capoeira com grupo infantil Tribo Mirim.
18:00 Cortejo com o Bloco Afro Afirmativo Ilu Inã.
20:00 Show Dona Flor do Dona Flor.
21:00 Forró de Muié.

12 de novembro, domingo

13h00 Peça As Aventuras E Desventuras De Maria Malazartes Durante A Construção Da Grande Pirâmide do grupo O Castelo das Artes de São Sebastião
14h00 Peça Maria Peregrina com Grupo Vice e Versa de Registro
16h00 Teatro em miniaturas da Intervenção Ciclistas Bonequeiros
17h00 Peça A Casa de Farinha do Gonzagão da CTI – Cia. Teatro da Investigação

A Sede CTI será um espaço para criação, aprimoramento e apresentações, um sonho antigo do grupo já que realizam encontros nos mais diversos cantos da cidade de São Paulo. Um lugar de dar parada, criar um ninho e receber as pessoas com carinho.

O Sede CTI é um galpão aberto com uma casinha na frente, ali na Vila Ré Zona Leste da cidade, que aos poucos vai ganhando cor e vida. Quando o grupo chegou no local encontrou um grande pedaço de concreto todo branco, hoje já está colorido cheio de plantas e outras novidades que só será revelado no dia da inauguração. Tudo foi feito pelos integrantes do grupo desde a limpeza, reforma, pintura e construção de um espaço verde.

 

Legenda da foto: Carol Guimaris e Geovane Fermac em A Casa de Farinha do Gonzagão – crédito da foto Rogério Pixote

 

Teatro-Baile

É teatro e é baile onde, agenciado pelo elenco, o público também é atuador e lhe é ofertado o espaço de expressão. Aqui cada um representa a si mesmo, de maneira suave, sem qualquer berlinda ou constrangimentos. O que o elenco proporciona é a instauração do espaço poético a partir do qual cada um pode se colocar como desejar e se desejar. Esta é a poética em construção do Teatro-Baile. O Teatro-Baile instaura a festa. Estabelece ali a mudança no cotidiano, e faz a proposição de um espaço poético para participação do público.

“Teatro-Baile, uma Poética em Construção. Teatro é Sangue e Precisa Circular” é um projeto contemplado na 30ª Edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo que conta com a circulação do repertório da CIA com as peças A Casa de Farinha do Gonzagão, A Olaria do Jackson do Pandeiro e A Feira de Chico, Gonzaga e Jackson, a criação e circulação de um novo espetáculo infantil O Teatro-Bailinho que passarão por 16 comunidades da cidade. A 1ª Mostra de Teatro em Trânsito que contará com apresentações dos grupos parceiros Cia. Catraca do Riso Cia, Flor do Asfalto, Comunidade Cultural Quilombaque Cultura de Garagem, ENCENA Cia. de Teatro, Forró di Muié, Grupo Rosas Periféricas, Ilu Inã Refinaria Teatral, Terça Afro.

A Agenda com a programação da Circulação pelos bairros da Cidade de São Paulo até dezembro de 2017 pode ser conferida pelo site www.teatrobaile.com ou em nossa página no facebook @teatrobaile1

 

Detalhes:

 

Peça A Casa de Farinha do Gonzagão

Sinopse: A música de Luiz Gonzaga dá origem ao espetáculo, que é um híbrido de teatro, música, dança, culinária e o público, e escolheu o teatro popular como meio de comunicar suas reflexões, trazendo elementos da vivacidade do povo nordestino que se redimensiona na força e intensidade da poesia que pulsa na obra do Gonzagão.

Legenda da foto: Geovane Fermac em A Casa de Farinha do Gonzagão – crédito da foto Rogério Pixote

Ficha técnica:

Dramaturgia e Direção: Edu Brisa

Atuadores: Cris Camilo, Camila Borges, Carol Guimaris, Geovane Fermac, Danuza Novaes, Harry de Castro, Haylla Rissi , Mariana Paudarco, Scheila Leandro,

Nathália Alfieri e Beto Belinati

Cenário: Edu Brisa e Geovane Fermac

Figurinos: Selma Paiva

Direção Musical: Camila Borges.
Sonoplastia: Carol Guimaris

Técnico de Som: Samuel Gambini

Preparação Musical: Fernando Alabê
Treinamento em Teatro Épico: Ednaldo Freire

Preparação Corporal e Vocal: Carlos Simioni
Treinamento de Máscaras: Cida Almeida

Registro de fotos e videos: Tally Campos

Registro Literário: Gabriel Rocha
Fotos: Michele Saraiva, Aline Capobianco e Rogério Pixote.

Design Gráfico: Luiz Felipe Macalé

Assessoria de Imprensa: Miriam Bemelmans

Produção:  Camila Borges, Carol Guimaris, Edu Brisa e Geovane Fermac
Realização: CTI – Cia Teatro da Investigação
Cooperativa Paulista de Teatro

 

 

Legenda: Danuza Novaes, a frente, Edu Brisa ao fundo na peça  A Casa de Farinha do Gonzagão – crédito da foto Rogério Pixote

 

A CTI Cia. Teatro da Investigação foi fundada em 2003 e desenvolve desde então pesquisa continuada de experimentação cênica e dramatúrgica que investiga o homem e a mulher comum do Brasil. Ao longo desses 14 anos a Cia. realizou 16 espetáculos, participou de festivais importantes como o Mostra de dramaturgia do Arena, Festival de Curitiba 2011, III Festival de Cenas cômicas do espaço Parlapatões 2009, 2ª Mostra Cena Breve Curitiba 2006 e I Mostra de dramaturgia Contemporânea do Teatro do Centro da Terra 2005. Foi contemplada em 2014 com o edital ProAC 14/2014 Circulação para Teatro de Rua realizando circulação com a peça baile A Casa de Farinha do Gonzagão por 15 cidades da grande São Paulo atingindo um público aproximado de 5 mil pessoas. Em 2015 foi contemplada com a 2ª Edição do Prêmio Zé Renato com o projeto Teatro-Baile Instaurando a Festa que circula por 16 regiões da periferia da cidade de São Paulo. A CTI põe em ação o homem e a mulher comum do Brasil e busca captar com humor e profundidade a alma do seu povo. Vem exercitando a experimentação cênica no espaço público: rua, parques, tendas, praças, na busca de diversidade de linguagens e possibilidades de investigar a fundo a relação do público com o nosso material artístico, colocando o público como participante do evento teatral, não só como contemplador, mas principalmente como atuador, que interfere e acrescenta à obra. Acreditamos que o teatro é o lugar de encontro, e assim sendo, buscamos a cada novo trabalho criar um espaço para a participação do público sem a dicotomia de palco e plateia, ressignifi­cando o espaço da Rua, o Teatro-Baile promove uma interação do público com o bem cultural interferindo positivamente na rotina da Rua e do público.

Peça Maria Peregrina de Luis Alberto de Abreu com Grupo de Teatro Vice e Versa da Cidade de Registro
Maria Peregrina, também conhecida como “Nega do Saco” ou “Maria do Saco” é uma das mais importantes personagens do folclore do Vale do Paraíba e que passou a ser considerada santa popular depois de sua morte.
Grupo Orientado pelo projeto Ademar Guerra.

 

Peça As Aventuras e Desventuras de Maria Malazartes Durante a Construção da Grande Pirâmide do grupo Cia. Teatral O Castelo das Artes de São Sebastião da obra de Chico de Assis.
Sinopse: Para resolver a crise instaurada no Egito, o faraó por influência de seus ministros, resolve construir uma grande pirâmide dando trabalho ao povo. Maria Malazartes, dona de um cabaré, ganha a concorrência ao oferecer o menor preço para o fornecimento de comida e água. Comprometendo a qualidade dos produtos Maria garante os seus lucros.
Grupo Orientado pelo projeto Ademar Guerra.

 

Teatro em miniaturas da Intervenção Ciclistas Bonequeiros

Um miniteatro de bonecos sob a garupa de uma bicicleta.

Com miniteatros, os ciclistas bonequeiros farão apresentações contínuas de até cinco minutos para uma pessoa por vez. Com curtas histórias e cenários tanto por fora, despertando a curiosidade do espectador, quanto por dentro, apresentando um outro universo, o grupo segue a risca a frase: Se “Maomé” não vai até o teatro, o teatro vai até “Maomé”. Tais intervenções já foram realizadas em parques periféricos da cidade, avenida paulista, viaduto do chá e circularam pelo estado de São Paulo.

O Forró di Muié nasceu das experimentações sobre um gênero: o forró em suas muitas formas, seus gêneros parentes próximos e distantes: samba, semba, cumbia, salsa, chorinho e muitos outros. A partir do tema do Forró, transmutações são feitas. Os arranjos reinventam canções de hoje e de ontem, trazendo novos ares. Seu repertório vem desde músicas autorais até artistas consagrados e contemporâneos como Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro entre outros. Por trazer o forró nos arranjos e mesclar o tradicional aos mais diversos repertórios, Forró di Muié abarca não somente o público fiel forrozeiro, mas também todos os apreciadores de uma boa celebração.

A Dona Flor surgiu em 2003, em Araraquara, cidade do interior paulista. Alessandra Cintra, Adilson Fernando Franzin e Dado Mendes (ex-integrante do grupo) eram alunos da mesma sala do curso de Letras da Unesp. Tão logo, a paixão pela poesia e pela literatura também foi devotada à música, em agitados saraus pela cidade. Da ambiência universitária, a Dona Flor começou a circular na noite paulista e em inúmeros festivais. O pocket-show que será apresentado na inauguração da Sede CTI contará com canções autorais e releituras de músicas brasileiras.

Cortejo com Bloco Afro Afirmativo Ilu Inã
O Bloco Afro Afirmativo Ilu Inã
 é uma criação de Fernando Alabê, presidente, mestre de bateria, compositor e de Fefê Camilo, vice-presidente diretora, produtora, administradora/financeira, percussionista que realiza seu cortejo carnavalesco sempre na segunda feira da semana que antecede o Carnaval.

Ilu Inã representa um Estado de Intenção em fazer abrir cada vez mais caminhos e possibilidades ao povo negro.

Com a força e também a alegria do dono dos caminhos buscamos colorir de vermelho, negro, amarelo e branco o asfalto de São Paulo.

Vermelho de axé, negro da pele, amarelo de nossa riqueza e branco de nossa busca de paz com consciência e pulso, movimentos voz.

Ilu Inã, Bloco Afro Afirmativo paulistano que visa o reencontro cultural de nossas matrizes africanas com a população afrodescendente de São Paulo através da expressão pela dança dos arquétipos dos orixás e pela música reimpressa na forma urbana, oriunda dos terreiros de candomblé, que em cortejo e diversificada em timbres e propostas rítmicas ganha o paço somando-se aos movimentos dos quais se emana, vindos do coro dançante.

Ilú Inã é um Bloco Afirmativo que simboliza a abertura de caminhos para o Povo Negro.

 

Roda de Capoeira e Maculelê com Tribo Mirim

Tribo Mirim é um projeto social desenvolvido na comunidade bica de pedra zona, coordenado pela Tribo Bahia, grupo de capoeira que teve origem em Itacaré. Na Tribo Mirim as crianças aprendem a jogar capoeira a tocar instrumentos e algumas manifestações culturais vertentes da capoeira como a puxada de rede e o Maculelê.

 

Agenda de inauguração da Sede CTI:

10 de novembro, sexta-feira

19:00 Roda de Conversa com Vânia de Fátima Noronha Alves e festeiros da cultura Popular

11 de novembro, sábado

14:00 Roda de Capoeira com grupo infantil Tribo Mirim.
18:00 Cortejo com o Bloco Afro Afirmativo Ilu Inã.
20:00 Show Dona Flor do Dona Flor.
21:00 Forró de Muié.

12 de novembro, domingo

13h00 Peça As Aventuras e Desventuras de Maria Malazartes Durante A Construção Da Grande Pirâmide do grupo O Castelo das Artes de São Sebastião
14h00 Peça Maria Peregrina com Grupo Vice e Versa de Registro
16h00 Teatro em miniaturas da Intervenção Ciclistas Bonequeiros
17h00 Peça A Casa de Farinha do Gonzagão da CTI – Cia. Teatro da Investigação

 

Local: Sede CTI

Rua Oti, 212

Vila Ré – Zona Leste

Próximo ao Metrô Patriarca

Duração 60 minutos cada apresentação

 

Todas as apresentações são gratuitas!